Seção

Fique por Dentro

Saiba qual o vidro certo para cada tipo de instalação

Aplicar o material inadequado ou abaixo da espessura recomendada pelas normas técnicas pode comprometer a qualidade de uma obra. O vidraceiro precisa, antes de tudo, garantir a segurança do cliente com a aplicação do vidro certo

23/01/2020

 

Os profissionais de instalações com vidro têm grande responsabilidade com relação a futura segurança do usuário. A aplicação do vidro errado pode contribuir com graves acidentes. Por isso, o conhecimento das normas técnicas, cada dia mais divulgadas, é primordial. Hoje vemos no mercado diversas instalações com vidros incorretos para determinadas aplicações e desconhecimento das normas técnicas por parte dos vidraceiros e instaladores. 

 

Tanto o tipo de vidro como as espessuras corretas para cada caso estão nas normas técnicas. Vale destacar que algumas especificações saem da competência do vidraceiro, como em aplicações em que o vidro faz papel estrutural, o que exige cálculos feitos por um engenheiro. Há ainda condomínios que já exigem ART para sacadas, guarda-corpo, coberturas, ou seja, um engenheiro civil ou arquiteto como responsável. 

 

As formas de fixação também devem obedecer às normas existentes. As estruturas podem ser fixas por meio de chumbadores mecânicos e químicos, mas sempre seguindo o que é normatizado quanto à profundidade, distância e tipo dos chumbadores. Em áreas externas, como guarda-corpos e coberturas, devem ser utilizados materiais anticorrosivos, que suportem a ação das intempéries, como alumínio e aço inox. 

 

Segurança mínima

A norma técnica não é lei, porém o código do consumidor, no artigo 39, diz que nenhuma empresa pode comercializar produtos que não estejam de acordo com a ABNT. Além disso, o seguimento das normas traz mais segurança jurídica para o profissional caso futuramente tenha que responder por algum acidente.

 

Vale ressaltar que as normas técnicas sugerem o mínimo recomendado para a segurança e que os riscos de cada caso devem ser analisados, assim como as espessuras mais adequadas. A especificação de qualquer material requer conhecimento e atenção, e com o vidro não é diferente. 

 

Sugestões mais detalhadas podem ser conferidas nas normas NBR 7199 - Projeto, Execução e Aplicação do Vidro Temperado na Construção Civil; NBR 16259 - Envidraçamento de Sacada; NBR 14718 – Guarda-corpos para Edificação e NBR 14207 - Boxes de Banheiro. Para auxiliar no cálculo das espessuras, a beneficiadora de vidros PKO do Brasil e a fabricante Cebrace desenvolveram uma calculadora, disponíveis em seus sites. 


 

Boxes

De acordo com a norma NBR 14207, o box deve ser instalado com, no mínimo, vidros temperado com espessura de 8 mm, o que é mais comumente utilizado. Para uma maior segurança, também é recomendado o vidro laminado, já que este retém os cacos em caso de quebra. O vidro temperado tem uma resistência até cinco vezes maior do que o vidro comum, mas também quebra e precisa ser manuseados com cuidado. 

Quanto à película de segurança externa a norma não especifica seu uso, mas o produto pode ser aplicado como forma de precaução para que os vidros não caiam em cima dos usuários em caso de quebra, provocando ferimentos. Ao instalar o box de vidro, evite que haja impactos ao abrir ou fechar a porta com materiais rígidos como metais, mármores, azulejos e granitos. 

 

Guarda-corpos

O guarda-corpo tem a função de proteger o corpo dos usuários e o vidro recomendado é vidro laminado, a partir de 8mm, ou aramado, também considerado um vidro de segurança. O espaçamento máximo recomendado é de 10cm e as ferragens e fixadores devem ser em material não oxidante. 

Se a fixação feita através de ferragens ou autoportante, o vidro deverá ser temperado-laminado, que oferece ainda mais resistência por unir as propriedades do temperado e laminado, sendo ideal para aplicações que necessitem de furos e acessórios. O vidro comum ou vidro impresso pode ser aplicado somente em instalações onde não há o risco de queda e o vidro estiver encaixilhado em todo seu perímetro. 

 

Sacadas

Para o envidraçamento de sacada são indicados vidro temperado ou laminado de 10 mm. Se a altura for menor que 1,70 metros e instalada até o 4º andar, a espessura mínima pode ser 8 mm. A Norma que orienta este tipo de instalação é a  ABNT NBR 16.259 - Envidraçamento de Sacadas. Os vidros precisam ter lapidação reta para facilitar a colagem da escova adesiva.

 

Fachadas

De acordo com a norma NBR 7199 - Vidros na Construção Civil, os vidros recomendados para instalação de fachadas são os vidros de segurança, laminados ou aramados. O vidro aramado também é considerado de segurança por manter os fragmentos presos à tela metálica em seu interior. Desta combinação de duas ou mais chapas de vidros pode surgir dezenas de possibilidades, criando vidros com funcionalidades diversas para além da proteção.

 

Coberturas

O vidro indicado para cobertura é o laminado, de acordo com NBR 7.199- Vidros na construção civil: projeto, execução e aplicações, já que ainda não há uma norma técnica específica para cobertura de vidro. A espessura depende do tamanho da chapa de vidro. Se a chapa for de até 1,10 m x 2,00 m, os vidros podem ser de 10 m. O vidro aramado também é um vidro indicado para cobertura. A regra é a mesma para claraboias, marquises, fachadas inclinadas e vidros instalados a partir de 1,1metro de altura.  

 

O vidro laminado pode também ser composto com demais beneficiamentos e ganhar mais propriedades como isolamento térmico e acústico com o vidro duplo ou insulado, e proteção à aderência de resíduos com o vidro autolimpante, desde que a chapa interior seja laminada ou aramada. Outra opção são os vidros de controle solar, que controlam a luminosidade e protegem móveis dos danos do sol. O vidro temperado laminado também é um vidro indicado para cobertura e oferece ainda mais resistência por unir as propriedades do temperado e laminado, sendo ideal para aplicações que necessitem de furos e acessórios. 

 

 

Portas e janelas

Para janelas são recomendados vidro temperado a partir de 8mm e para portas, assim como divisórias, vitrines e muros, instalados abaixo de 1 metro e 10 centímetros, é indicado pelo menos vidro temperado com 10mm de espessura. O vidro temperado, além de ser cinco vezes mais resistente que o vidro comum, estilhaça em pequenos pedaços de vidro não cortantes, ao contrário do vidro comum, que se divide grandes fragmentos cortantes, ampliando o risco de acidentes. O vidro comum só deve ser aplicado em casos em que seja totalmente encaixilhado, envolvido em todo seu perímetro.

 

Pisos e escadas

Em aplicações estruturais como pisos de vidro, escadas e visores de piscina é preciso que o vidro seja no mínimo laminado ou aramado. Geralmente, para situações que exigem resistência extrema, são aplicados vidros multilaminados ou temperado-laminado, que une as características de ambos os tipos de vidro, trazendo mais benefícios. Já o vidro multilaminado passa por um processo de beneficiamento que une várias camadas de vidros intercaladas com películas como o PVB, em um processo semelhante ao do vidro laminado.

Deixe seu comentário