Seção

Mercado

Gigante do vidro aporta no Brasil

Japonesa AGC, maior fabricante de float do mundo, vai investir US$ 470 mi em uma nova fábrica em Guaratinguetá, no interior de São Paulo

26/05/2016

Apelidado de Bolle, o projeto futurista do arquiteto Massimiliano Fuksas para o Centro de Pesquisas e Eventos da destilaria Nardini, na Itália, ostenta vidros coloridos e transparentes da AGC

Líder mundial na fabricação de vidros automotivos e para a construção civil, a japonesa AGC Group anunciou a construção de um complexo industrial em Guaratinguetá, na região do Vale do Paraíba, em São Paulo. O investimento será de US$ 470 milhões (cerca de R$ 750 milhões) e o início das operações está previsto para 2013. 

 

 

A unidade, a primeira da empresa na América do Sul, contará com uma linha de produção de vidros comuns (float), outra de vidros automotivos e uma terceira de  espelhos. A produção do grupo será 80% voltada para a construção civil e 20% para o setor automotivo. Até 2016, a AGC Vidros do Brasil espera produzir anualmente 220 mil toneladas para o setor da construção, além de conjuntos de vidros para atender 500 mil veículos. Serão gerados 500 empregos diretos.
Em entrevista exclusiva a Vidro Impresso, Davide Cappellino, presidente da AGC Vidros do Brasil, revela por que o País foi o escolhido para receber tão vultoso investimento.

 

 

“A AGC vem estudando com grande interesse as oportunidades do setor do vidro na América do Sul”, afirma o executivo. “Quando decidimos lançar um projeto
para ingressar nessa região, a escolha do Brasil veio naturalmente, por ser de longe o maior e mais desenvolvido mercado de vidro do continente.” A fábrica será instalada em uma área de 500 mil metros quadrados.

 

 

De acordo com o presidente da Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Investe São Paulo), Luciano Almeida, a escolha do município de Guaratinguetá contempla um programa de descentralização dos investimentos desenvolvido pela agência. Também contribuíram para a escolha a disponibilidade de insumos necessários à produção, como gás, energia e água, e de mão de obra qualificada, além de facilidade de acesso a outras regiões do País pela Via Dutra. Segundo Cappellino, o município ofereceu benefícios fiscais e infraestrutura. “Em nossa fase de avaliação, quando estávamos definindo a melhor região para instalar nossas operações no Brasil, conversamos com autoridades de diversos Estados e municípios.

 

 

Ao optarmos por Guaratinguetá, passamos a receber grande apoio do município”, informa. “É importante para a AGC estabelecer um bom relacionamento com a comunidade e autoridades locais, para que possam os contribuir para o desenvolvimento de uma região que está nos recebendo tão bem.”  O complexo começará a ser instalado já no final deste ano e a conclusão está prevista para 2013. Capellino ressalta que numerosas montadoras anunciaram planos de expansão no Brasil, o quarto maior mercado automotivo do mundo no ano passado. “A AGC pretende aproveitar a forte demanda do Brasil por meio de uma base produtiva altamente eficiente.”

 

 

 

A empresa também está atenta ao crescimento do setor da construção civil diante dos projetos sociais do governo em programas como Minha Casa, Minha Vida, e também das obras para a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016. “Vemos boas oportunidades no mercado brasileiro não só pelo crescimento do setor de construção e automotivo, que impulsionam o consumo de vidro, mas também por seu potencial em termos de desempenho dos produtos de vidro, como os laminados, os vidros de revestimento, vidros duplos, decorativos para interiores etc. Novos produtos serão demandados pelo mercado nos próximos anos, criando excelentes oportunidades para todos os atores da cadeia de valor do vidro”, avalia Capellino.

 

 

 
Segundo seu presidente no Brasil, a AGC vai atuar no País de forma autônoma, já que a empresa detém 100% das operações da filial brasileira. “Mas já estamos em busca de parcerias com empresas dos setores de logística, distribuição, matéria-prima e outros que tragam mais eficiência a nossas operações”, ressalta.

 


Tecnologia de fora A vinda da AGC para o Brasil foi motivada pelo rápido e intenso crescimento do mercado de vidro no País, não apenas em volume. “Processadores, distribuidores e demais profissionais do setor têm investido no aumento de eficiência e competitividade e no fornecimento de melhores produtos ao
consumidor final. A AGC quer contribuir com os objetivos e desafios de nossos clientes brasileiros trazendo para o Brasil toda nossa tecnologia, produtos de qualidade e soluções inovadoras”, afirma o presidente, acrescentando que produtos especiais da AGC, ainda não disponíveis no Brasil, poderão ser importados de outras unidades. É o caso do vidro aramado polido e de um lançamento mundial recente, o  vidro antibacteriano.

 


A planta da empresa no Brasil vai produzir vidro float incolor e colorido, espelhos, vidros de alto desempenho e toda a gama de produtos para o setor automotivo. “Traremos para o Brasil as mais avançadas tecnologias empregadas pela AGC no resto do mundo. Isso inclui um forno float de última geração, os mais desenvolvidos sistemas de tratamento de insumos e redução de impactos ambientais, as linhas mais modernas de espelhos e revestimentos, e nossa mais recente tecnologia para produção de vidros automotivos”, garante Cappellino.

Deixe seu comentário