Seção

Mercado

Fanavid made in Cuba

País caribenho é o primeiro a receber investimentos da empresa, líder no mercado nacional de vidros para a arquitetura e construção civil

23/05/2016

Bandeira de cuba

Grandes novidades e um balanço mais do que positivo devem marcar o encerramento de 2010 para a indústria de vidros para a construção civil. Muitas empresas do segmento alçaram altos voos ao longo do ano e se preparam para um 2011 de importantes investimentos. É o caso da Fanavid, fabricante paulista de vidros 100% nacional dirigida pela família Mansur Farhat, que está negociando com o governo de Cuba a abertura de uma linha de produção naquele país. “As conversações com o governo cubano já estão bem adiantadas”, afirma Carlos Eduardo Gianini, diretor-superintendente da Fanavid.

 

No início de 2010, a empresa concentrou esforços em consolidar a aquisição das operações da Santa Marina Vitrage, divisão de vidros de segurança para o mercado de arquitetura e construção da francesa Saint Gobain, dona da marca Santa Marina. Iniciada em 2007, a operação foi sacramentada com a incorporação definitiva da marca Fanavid a todos os vidros produzidos na fábrica. “Eles venderam na hora errada, nós compramos na hora certa”, diz Gianini, referindo-se ao boom da área imobiliária dos últimos anos. 

 


E acrescenta: “Não planejamos nada, mas a oferta da Saint-Gobain nos despertou para o potencial do mercado. Já decuplicamos nossas vendas direcionando para esse segmento a capacidade industrial adquirida.” As ações de expansão deverão continuar com um investimento da ordem de R$ 17 milhões na planta caribenha, que será dirigida por uma empresa mista, com 51% do controle nas mãos do estado cubano e o restante da Fanavid. Segundo Gianini, a iniciativa é consequencia da visita  de uma missão ministerial de Cuba ao Brasil, em maio de 2008.

 


“Entre os setores industriais cubanos que necessitavam de investimentos estava o de vidros para construção civil”, relata. “A partir daí, fizemos uma série de visitas e estudos de mercado para avaliar a viabilidade de uma indústria da Fanavid em Cuba”.

Deixe seu comentário