Seção

Vidro e Design

Vidro Serigrafado: Recurso básico ou Tendência

Feito a partir da aplicação de um composto cerâmico pigmentado sobre a superfície, e mais comum ver em edifícios altamente estilizados

25/05/2016

Descoberto por arqueólogos, em civilizações tão antigas quanto os ancestrais do Egito e da Mesopotâmia, o vidro serigrafado dificilmente poderá ser considerado uma nova tecnologia. No entanto, graças às suas propriedades relacionadas à eficiência energética, à sua suavidade e ao gradiente estético que produz, o vidro serigrafado está ressurgindo na arquitetura contemporânea.

 

 

O vidro serigrafado é feito a partir da aplicação de um composto cerâmico pigmentado sobre sua superfície, o qual se funde no vidro durante o processo de têmpera, tornando-se assim altamente resistente a riscos. Ele está disponível numa grande variedade de padrões, mas na maioria das vezes é utilizado com desenhos concebidos a partir de uma composição de pontos ou linhas. Esses padrões podem, então, serem serigrafados em vidros temperados. Em seguida, o vidro é aquecido em um forno de têmpera, o que fortalece e melhora a segurança do vidro sob altas temperaturas.

 

 

O produto resultante é um vidro com uma determinada transparência, que, quando usado em fachadas de edifícios, pode reduzir a absorção da luz solar e até mesmo tornar os edifícios envidraçados mais visíveis e, por conseguinte, mais seguro para os pássaros. Embora os vidros serigrafados possam ser utilizados de diversos modos, a aplicação mais comum é em edifícios altamente estilizados, com os arquitetos utilizando a serigrafia para borrar as juntas entre os painéis de vidro.

 

 

Muitos outros materiais de alto estilo da história recente (como vidros tingidos de dourado e mármores com cores brilhantes) eventualmente tornam-se ultrapassados ou muito espalhafatosos e, portanto são relegados apenas à uma tendência. 

 

Deixe seu comentário