Seção

Fique por Dentro

Vidro duplo: combinação de vidros e esquadrias gera produto com grande potencial térmico e acústico

O vidro duplo, também conhecido como insulado, é a melhor opção quando o objetivo é isolamento acústico, trazendo conforto às instalações

16/03/2017

Aplicado em hospitais, hotéis e residências e, de um modo geral, em locais com grande intensidade sonora, o vidro duplo, também conhecido como insulado, é a melhor opção quando o objetivo é isolamento acústico, trazendo conforto às instalações. Este tipo de vidro também é eficiente no aproveitamento de toda a luz natural e para impedir a transferência do calor. “Existem outros vidros com propriedades termo acústicas, mas nenhum deles possui capacidade tão acentuada quanto o vidro insulado, que pode apresentar reduções da ordem de 50 decibéis, ou seja, comparado a uma janela com um vidro de 4mm, pode ser mais de 65% eficiente”, ressalta Elcio Santos, gerente comercial técnico da Brazilglass.

Janela batente de alumínio com ruptura térmica com vidro duplo Slim Line 38 - Reynaers Aluminium

Janela batente de alumínio com ruptura térmica com vidro duplo Slim Line 38 - Reynaers Aluminium

O Centro Cultural Banco do Brasil Minas Gerais também recebeu vidros insulados da PKO. O escolhido foi o laminado refletivo prata

Como é feito

O sistema de envidraçamento duplo combina duas lâminas de vidro, ligadas por um perfil de alumínio com uma camada interna de ar desidratado, que pode ou não conter gás argônio. “O vidro duplo é constituído com duas camadas de vidros dividida uma da outra com uma selagem dupla onde a primeira não permite haver trocas gasosas e a segunda, de alumínio, garante estabilidade ao vidro. Dentro do perfil de alumínio, há um hidrossecante para garantir a ausência de umidade”, descreve Santos.

“O vidro insulado é um conjunto formado por duas ou mais placas de vidro plano paralelas, separadas por um espaçador, com as bordas hermeticamente seladas ao longo de todo seu perímetro, formando em seu interior uma câmara estanque e desidratada”, define também Luiz Garcia, diretor executivo da Lisec Sudamerica.

A câmara de ar é criada por um espaçador em alumínio. Quem evita a umidade e condensação dentro da câmara é a sílica. “Todo processo é importante, pois, se houver troca de ar, o vidro irá com o tempo embaçar e não será possível limpar por dentro. Existem câmeras de ar de 6, 8, 10, 12, 16 ou 24mm”, esclarece Rebeca Andrade, especificadora técnica da PKO do Brasil.

 

Combinações sob medida    

Para obter o vidro duplo podem ser combinados diversos tipos de vidro. Podem ser associados vidro comum e temperado, comum e laminado ou dois laminados, ou  ainda incluir vidros com valor agregado, como de controle solar, ou coloridos. Para definir essa composição, primeiro verifica-se qual é a intensidade sonora do ambiente e qual a proteção desejada pelo cliente em termos de isolamento acústico e térmico. 

Este não é um vidro encontrado pronto, o produto ideal é resultado de um cálculo do ruído local para que sejam definidos os tipos de vidros e espessuras, tanto do vidro como da câmara de ar. Para maior resistência e conforto acústico, os vidros utilizados podem ser temperados, laminados, duplo laminado, ou ainda incluir uma câmara de ar espessa. “A câmara de ar garante a menor reverberação do som, conferindo ao produto a característica de isolamento acústico, que pode ser potencializada com a injeção de gás argônio na câmara e/ou à aplicação com vidros laminados”, sugere Rebeca.  

Divisória da DesignOn em vidro duplo encaixilhado com película jateada total e estrutura pintada em alumínio

“O isolamento acústico depende principalmente da espessura dos vidros, da utilização de vidros laminados e da qualidade das esquadrias. Para melhorar o desempenho acústico é recomendável incorporar um ou dois vidros laminados ao sistema de vidro insulado, a fim de atenuar as vibrações produzidas na superfície dos vidros ao receber ondas sonoras. O incremento de espessuras dos vidros adquire uma importância fundamental quando o objetivo for aumentar a capacidade de isolamento acústico da janela”, acrescenta Garcia.

As espessuras de cada painel de vidro também dependem da performance a ser obtida e do tipo de ruído presente no local da edificação. “As espessuras podem ser de 4mm, 6mm e 8mm, mas há casos que necessitam de espessuras maiores. Não há regra para a quantidade de chapas. Se houver muita poluição sonora no ambiente externo, recomenda-se usar duplo laminado com cada chapa de uma espessura. Se o projeto exigir controle solar, recomenda-se usar um duplo laminado de controle solar no lado externo. Também há projetos específicos em que, ao invés de uma câmara, deve se usar duas, mas é muito raro no Brasil”, acrescenta Elcio Santos.

Porta de vidro de correr com vidro duplo, modelo Minimal Windows da Keller

Porta de vidro de correr dobrável com vidro duplo modelo Parterre brilhante da empresa italiana Mixlegno Group

Desempenho térmico

O vidro insulado é muito conhecido pelos benefícios acústicos, mas o desempenho térmico é uma de suas principais características, aumentando em 100% o isolamento.  Ele é bastante eficaz para equilibrar a temperatura porque a câmara de ar forma um vácuo e o calor se propaga com mais dificuldade nessa condição. “Utilizando o vidro insulado é possível aumentar as áreas envidraçadas sem comprometer o conforto e o consumo de energia elétrica do ar condicionado na obra. Ele aumenta em mais de 100% o isolamento térmico, elimina a condensação de umidade sobre o vidro, bloqueia o efeito de ‘parede fria’ e aumenta o conforto junto ao vidro. Com o uso de vidros de proteção solar diminui em até 70% as perdas de calor através do vidro, economizando energia e reduzindo a emissão de CO2”, explica Luiz Garcia.

O valor do isolamento térmico nas obras é medido pelo coeficiente “U”, que representa a quantidade de calor que passa através do vidro, cuja medida é W/m²°K (watts por metro quadrado por grau Kelvin). A intensidade do fluxo de calor depende da diferença entre as temperaturas do exterior e interior do ambiente. Um vidro de 5 ou 6 mm de espessura tem um U=5,7 W/m²°K. Um vidro insulado composto por dois vidros separados por uma câmara de ar de 6,5 mm tem um U=3,20 W/m²°K. Um vidro insulado composto por dois vidros separados por uma câmara de ar de 9,0 mm tem um U=3,00 W/m²°K. Se for composto por dois vidros separados por uma câmara de ar de 12,0 mm tem um U=2,80 W/m²°K.

“Adicionalmente cada vidro insulado pode ser configurado utilizando diferentes insumos. Por exemplo, os perfis espaçadores podem ser se alumínio, de plástico, de materiais orgânicos ou de termoplástico. Cada material oferece diferente desempenho térmico e podem contribuir para melhorar ainda mais a eficiência térmica e ganhar economias em ar condicionado adicionais. Por exemplo, os perfis espaçadores classificados como Warm-Edge possuem um fator U menor a 1 W/m²°K  e contribuem para aumentar o isolamento térmico ainda mais”, completa o profissional da Lisec.

Cobertura de vidro duplo da linha Pilkington Insulight

Espessura não é tudo

Tudo é uma questão da necessidade do projeto, mas o ideal é usar espessuras diferentes para garantir melhor o bloqueio do som, pois cada onda sonora será bloqueada por uma espessura de vidro. Ö desempenho está mais relacionado com a faixa de frequência em que o som do local está e as combinações feitas do que propriamente com a espessura do vidro. Às vezes você coloca dois vidros espessos mas se eles vibrarem na mesma frequência não serão eficazes, o som passará. O comportamento muda de acordo com cada frequência. Tem que entender o tipo de ruído para fugir da ‘pegadinha’. Temos um laboratório de acústica e fazemos ensaios para saber quanto aquele produto está isolando em cada faixa de frequência para cada tipo de ruído, combinando esquadria e vidro de acordo com o ensaio”, conta Nicole Fisher da Atenua Som. 

Ambiente apresentado na feira Office Solution 2010 tem divisória em vidro duplo pele de vidro e também em vidro único polarizado com acionamento elétrico

Triplo e quádruplo

O vidro laminado também é uma espécie de vidro duplo, pois é formado por duas chapas de vidro com uma camada de Polivinil Butiral (PVB), Etileno-Vinil-Acetato (EVA) ou resina líquida entre elas. Esta camada interna, além de dar resistência ao vidro, também ajuda a criar diversidades de cores e auxilia no controle solar e térmico do vidro. Alguns chamam a combinação com laminado de vidro de triplo, pois seus dois vidros se somam ao outro vidro com a camada de ar que forma o insulado. Pode ainda ser quádruplo quando utilizados dois vidros laminados. Os termos se confundem muito, mas o nome vidro duplo se refere ao insulado, mesmo que ele seja composto pelo duplo laminado, tendo assim quatro chapas.  “O triplo mesmo é difícil de ter no Brasil, não é fácil uma estrutura que suporte.  Acaba-se usando duas janelas quando se quer um isolamento muito grande”, revela a profissional da Atenua Som.

Obra utilizou vidro insulado da Brazil Glass em salão de festas para o som não se propagasse para o lado externo

Divisórias DivDesign em vidro duplo “encaixilhado” com películas jateadas e estrutura em alumínio anodização natural/fosca

Conjunto da obra

O ruído vai caminhar pelo ar e, ao encontrar a barreira do vidro, perdera energia, mas, ao passar pela janela pode encontrar frestas. Ou seja, se os perfis, assim como a instalação, não forem aplicados de forma adequada, o resultado não será eficaz mesmo tendo o melhor vidro. “Existem esquadrias específicas onde o alumínio é preenchido com lã mineral. Há modelos com PVC e madeira com bom desempenho, porém a vedação é o mais importante, pois o som se propaga por meio de frestas”, diz a especificadora da PKO do Brasil.

Divisórias DivDesign em vidro duplo “encaixilhado” com películas especiais e estrutura em alumínio anodização alto brilho

 

“Não adianta colocar aleatoriamente qualquer perfil. E mesmo um perfil e um vidro muito bom perderão a eficiência se forem mal instaladas. O perfil especial tem espessura maior e uma anti câmara em seu interior. Seu desenho é feito com mínimo de frestas possível e mais justo. Tem que olhar para o perfil e vidro e entender o conjunto. Ensaiamos as combinações de vidro e esquadria antes de lançar no mercado para analisar seu comportamento para cada tipo de ruído. Cada som se comporta com diferentes frequências e alguns passam em qualquer fresta”, explica Nicole Fisher. 

Porta de vidro sanfonada em alumínio com vidro duplo modelo S.60TT da Sunroom

A especialista revela que o vilão da história pode ser até a parede ou teto, que devem ter no mínimo 15cm, pois somente cerca de 70% vem da janela de um prédio. “Tem que ver o tipo de vidro, sua intensidade e o quanto a pessoa precisa de isolamento, se é quarto, sala ou escritório. Tem que levar em consideração também o uso, se é um estúdio ou um hospital, por exemplo, a necessidade de isolamento será maior”.

 

 

 

 

 

Deixe seu comentário