Seção

Fique por Dentro

Versatilidade no DNA

A crescente substituição dos vidros comuns por processados de alto desempenho leva os laminados ao topo em estética, sustentabilidade, conforto e segurança

20/08/2016

Em maio de 2014, um grupo de turistas ficou aterrorizado ao ver o piso de vidro multilaminado (composto de 3 placas de 12,7 mm cada) da plataforma turística Skydeck, localizada na Willis-Tower de Chicago (USA), rachar sob seus pés, a uma altura de 457 metros. Em outubro do mesmo ano, a ponte de vidro estrutural construída a mais de mil metros de altura no Parque Geológico da Montanha Yuntai, na China, também teve seu piso trincado por um objeto de aço derrubado por um turista. No ano passado, a queda de uma garrafa na passarela de vidro mais famosa de Londres, construída sobre o Rio Tâmisa, também trincou o piso e assustou quem passava por ali.


Os três incidentes ajudam a ampliar a percepção do consumidor brasileiro, ainda modesta, sobre as características e os benefícios dos vidros processados de alta performance, além de lembrar os especificadores que ousadia e sofisticação devem ser sempre aplicadas sob a ótica da segurança. Mas por que algo pior não aconteceu àquelas pessoas naquelas pontes? Responsabilidades à parte, certo é que o vidro dos pisos era um multilaminado estrutural – um dos mais seguros da arquitetura, apto a suportar cargas altíssimas, acima de 700 kg. Quando uma das várias camadas sofreu o impacto, os pedaços de vidro quebrados prenderam-se na lâmina intercalar de PVB (Película Polivinil Butiral) existente entre elas, evitando que os estilhaços se soltassem e ferissem alguém.


Resistência, beleza, eficiência energética e conforto são as principais características que o vidro laminado confere em suas aplicações nos setores de construção civil e decoração, moveleiro, de linha branca e automotivo. O laminado simples é composto de duas lâminas de vidro unidas permanentemente, sob calor e pressão, por um ou mais interlayers de PVB, um elastômero altamente aderente que impede que o vidro se estilhace em caso de quebra, mantendo-o preso à película, reduzindo assim o risco de ferimentos e danos patrimoniais.


Os laminados funcionam como filtro para os raios UV; como vidros de segurança e antivandalismo; controlam a irradiação solar e emissão de calor quando combinados com vidros refletivos ou low-e (baixo emissivos) e funcionam como eficiente barreira acústica, quando combinados com um sistema adequado de esquadrias. São normalmente encontrados no mercado em espessuras de 6 mm a 50 mm; dimensões mínimas de 150 mm x 150 mm e máximas de 2.400 mm x 3.600 mm. Podem ser laminados vidros monolíticos e coloridos, low-e, refletivos, serigrafados, acidatos e argentados, espelhos, pintados, autolimpantes, antibacterianos, anti-riscos, refletivos etc.

 

“Resistência, beleza, eficiência energética e conforto são as principais características que o vidro laminado confere em suas aplicações nos setores de construção civil e decoração, moveleiro, de linha branca e automotivo”

 

Vidro multilaminado estrutural salva turistas na ponte de vidro da Montanha Yuntai (Henan/China). Uma das três camadas do piso trincou, causando pânico aos turistas, a 1080 m de altura

Linha Vanceva de PVBs coloridos, da Eastman - Pigmentos duráveis e convergência de cores criam possibilidades de design sem fim

 

Além dos laminados simples, destacam-se ainda:

 

Multilaminado (ou antivandalismo) – composto por 3 ou mais lâminas de vidro float ou temperado, podendo ser laminado com PVB, resina ou EVA (Etil Vinil Acetato). Desenvolvido para suportar fortes impactos e garantir a integridade física das pessoas.

 

Blindado – vidro multilaminado de calor e pressão, que utiliza intercaladamente duas ou mais lâminas de PVB ou resina, poliuretano e lâminas de policarbonato, todos ligados por calor e pressão.

 

Laminado de temperado – usado como elemento da estrutura de guarda-corpos, fachadas, pisos e degraus, coberturas e claraboias, sacadas, visores de piscina etc., ele passa pelos processos de têmpera e laminação, que o transformam em autoportante, o que proporciona maior segurança para fixação, pois não há necessidade de caixilhos. Pode ainda ser usado na proteção contra furacões e explosões. Extremamente resistente, pode ser fixado por pontos tipo parafusos ou rótulas.

 

Laminado estrutural – é o composto de maior potencial de crescimento no mercado, permitindo projetos mais ousados e limpos, com a utilização de maiores panos de vidro e menor quantidade de caixilhos, o que valoriza a estética e reduz o custo da obra. Formado por interlayer estrutural, tem os vidros laminado e temperado como base, resultando em segurança, transparência e sofisticação. Uma ótima solução para ambientes expostos a impactos.

 

O envidraçamento estrutural substitui as estruturas de suporte padrão das fachadas (concreto e aço), colunas e vigas de vidro ou de cabos de aço, sempre contando com o vidro da fachada como elemento estrutural. O vidro então resiste aos esforços de vento e peso próprios da fachada.

 

Estoque de PVB colorido na sala limpa da Cyberglass, onde um software faz o controle da umidade e temperatura

 

“O envidraçamento estrutural substitui as estruturas de suporte padrão das fachadas (concreto e aço), colunas e vigas de vidro ou de cabos de aço, sempre contando com o vidro da fachada como elemento estrutural”

 

A escada tubular produzida pela Cyberglass para o Espaço Santa Helena, em São Paulo, ganhou vidros multilaminados com SentryGlas e ferragens embutidas para fixação dos degraus

 

No coração do laminado

 

Entre os vários tipos de camada intercalar utilizados para laminação destacam-se:


Resina: um material pioneiro, mas que se tornou antieconômico diante da evolução dos equipamentos.


 
PVB: o mais tradicional e mais usado no mercado. Vidros laminados com PVB têm sido aplicados em guarda-corpos, degraus de escada, fachadas e em conjunto com PVBs estruturais, termo acústicos e anti-ruído. Os PVBs também oferecem variada paleta de cores e opacidade. Cada tipo apresenta uma composição química única, variando conforme sua aplicação.

 

EVA: oferece flexibilidade de acabamentos em projetos esteticamente mais arrojados. Muitas processadoras usam o EVA na decoração, com inserções de fotos, tecido, fórmica, iluminação em LED etc. e em vidros curvos, devido à sua maleabilidade.

 

SentryGlas – interlayer da família dos plásticos produzido pela DuPont, altamente rígido e resistente, muito usado em vidraças estruturais, como balaustradas, coberturas elevadas, fachadas claras, aplicações de alta segurança e projetos em zonas de muito vento.

 

 

Privacy Glass, da PKO - ligado, o painel de vidro laminado com filme de LCD torna-se incolor, permitindo a passagem da luz. Desligado, volta à cor branca, trazendo privacidade ao ambiente

 

Mercado e consumo

 

Na contramão do pior desempenho do setor vidreiro em geral (crescimento de 0,5% em 2014 contra 10% em anos anteriores) os vidros processados não automotivos registraram, em 2014, um aumento de 4,4% no consumo e já representam 54,8% do total desse mercado, demonstrando sua força e o aumento, ainda que modesto, da percepção de seus benefícios por parte dos consumidores. Ocupando o segundo lugar entre os vidros processados não automotivos (8,5%), em 2014 o vidro laminado registrou aumento de 9,8% no faturamento e 7,6% no consumo, além de incríveis 127% nos últimos cinco anos (Fonte: Panorama Abravidro 2015).


O setor residencial brasileiro ainda é o que mais carece de vidros de alto desempenho. “Apesar de edifícios residenciais já contarem com produtos de controle solar, laminados e insulados, o vidro entregue na maioria dos empreendimentos de alto padrão ainda é o mesmo das residências do programa Minha Casa Minha Vida”, comenta o engenheiro e consultor, Fernando Simon Westphal.

 

Apesar da atual crise, ovidros sem beneficiamento ainda representam 1/3 do consumo brasileiro, apontando uma grande oportunidade. Empresas como Conlumi e T2G acreditam que esse mercado caminha para dimensões jumbo, acima de 3,21m ou 3,60 x 6 m. A T2G já realiza obras envolvendo tecnologia de laminados múltiplos de até 6 x 3, 21 x 80 mm. Para este ano, a empresa pretende fortalecer as vendas do DiamondGlass by DFI - um laminado resistente a impactos e de fácil limpeza.

 

 

 

Na piscina de residência em Itaboraí/RJ, a alvenaria deu lugar a 6 m de vidro laminado de temperado, composto por 4 lâminas de cristal 10 mm temperados com laminação estrutural UVEKOL, da Conlumi

 

Sala fria da Speed Temper para montagem das peças laminadas

 

Calandra opera na linha de laminação

 

Para lapidação das bordas dos vidros laminados, a Bottero disponibiliza lapidadoras de 8 e 10 rebolos e bilaterais das linhas Titan e Twin, além da linha de corte. Atendendo clientes como Cebrace e Vivix com sua linha de alta produtividade, a Bottero também conta com linhas voltadas para as necessidades de menor produtividade, mas com mais flexibilidade. “Iniciamos em fevereiro a operação de uma nova linha de laminados da Bottero, 100% automatizada, com autoclave da Italmatic”, revela Rafael Ribeiro, diretor industrial da Viminas. Segundo Ribeiro, a capacidade de produção da nova linha é de 35 mil m2 por turno de produção por mês.


Para beneficiamento do vidro já laminado, a Lisec fornece centros de processamentos de bordas para as operações de filete, lapidação, polimento, furação e recortes. Além disso, a empresa produz equipamentos de controle de qualidade para ensaios e testes de resistência ao calor e umidade. O portfólio da fabricante oferece desde fornos para laminação com EVA até linhas de laminação com PVB automatizadas.


Há consenso de que a tendência do mercado de beneficiamento é investir em linhas 100% automatizadas para produção do vidro laminado em suas diferentes composições. A Cyberglass investiu na mais nova linha da Lisec, regulada para produzir uma chapa a cada 2 minutos e capacidade produtiva de mais de 150 mil m2/mês, considerando uma cadência de 80%. Antes, a capacidade da beneficiadora era de 10 mil m2/mês, com 18 funcionários trabalhando em uma linha manual. Na nova linha, o funcionário interage somente na montagem da carreta para autoclave.


Na Speed Temper, os vidros laminados já representam 40% da produção. Com capacidade de produção de laminados de 20 mil m2 e operando com 60% dela, a empresa conta com uma linha automatizada da Agmaq, autoclave Ferlex, mesa de corte Macotec e lapidadora Bovone. A linha da Agmaq está também na produção de laminados com PVB do Grupo Vipel, que também utiliza um forno da Pujol.


Lançamento da Handong, representada no Brasil pela Glass Parts, a calandra por convecção promete otimizar a produção e reduzir significativamente o consumo de energia. A tecnologia de corte automático para PVB também é destaque da empresa chinesa, que tem 60% da sua produção voltada para linhas de laminação.

 

Linha automatizada Bottero com autoclave Italmatic duplicará produção de laminados da Viminas, para 35 mil m2 x turno de produção x mês

 

Vidros temperados multilaminados com SentryGlass, da PKO, levam segurança e ousadia aos projetos 

 

 

De vidro comum à tela de projeção de vídeo. O vidro polarizado MDV Switch, da MDV Vidros Inteligentes, foi laminado com filme de cristal líquido que, ao receber uma carga elétrica, passa de opaco a transparente

 

Destaques e lançamentos

 

As amplas possibilidades do vidro laminado, em seus vários compostos, dão aos projetos comerciais e residenciais uma profusão de efeitos e cores, imponência, conforto, eficiência energética e segurança. O sistema de envidraçamento C.Glass (Channel Glass) da especialista em envidraçamentos especiais T2G, utiliza o vidro plano laminado para maior segurança dos projetos, podendo ainda incluir películas decorativas, refletivas ou de proteção. Na área de vidros estruturais, a T2G também aposta em projetos ousados como a fachada da sede da Tishiman Speyer, na Av. Faria Lima, em São Paulo, e a piscina de vidro do Hotel Trump, no Rio de Janeiro.

 

Em fase de lançamento da Casavitro/Grupo Tecnovidro, as especificações técnicas do novo vidro laminado serigrafado ainda são segredo. Porém, a empresa adianta que para os clientes comerciais, um dos benefícios é a valorização da identidade visual corporativa, a partir da utilização de cores e temas personalizados e exclusivos.


Os boxes de abrir e correr da linha Maxim, do Grupo Vipel, têm por opção o uso de laminados sem furação, oferecendo maior segurança contra quebra e acidentes no caso de trincamento do vidro. Em conjunto com vidros refletivos, o material evita manchas na parte metalizada, por esta não ficar em contato com a água e produtos químicos. Os boxes podem ainda ser laminados com EVA de todo tipo.


A Conlumi propiciou aos moradores de uma residência em Itaboraí/RJ a piscina dos seus sonhos. A ideia foi usar vidro em uma das faces da piscina no lugar de alvenaria. A obra demandou 6 m2 de vidro laminado temperado (6.000 x 1.000 mm) em uma única peça, composto por 4 lâminas de cristal de 10mm, feitas com laminação estrutural Uvekol. O caixilho em aço inox tipo escotilha com guarda-corpo tubular, também em inox polido, compôs a peça que, junto com o vidro, pesa cerca de 700 kg.


Cada vez mais usado como divisor de ambientes em hospitais, clínicas, salas de reunião, restaurantes e residências, o PKO Privacy Glass é laminado com um filme de LCD (Liquid Cristal Display – cristal líquido) com polímeros dispersos. Quando acionado, as moléculas se organizam em uma direção específica, tornando o vidro incolor e permitindo a passagem da luz. Quando desligado, ele volta à sua cor original, de branco translúcido. Bastante usado em letreiros luminosos, clínicas, mesas e bancadas, shoppings, lojas e coberturas, o Lightning Glass, da PKO, é laminado com uma película incolor onde são inseridos LEDs.

 

 

Espaço Santa Helena, SP, também ganhou vidros laminados da Cyberglass, com imagem digital de flores

 

Mesa automática Lisec de cortes retilíneos ou modelados para películas de PVB ou SentryGlas promove maior aproveitamento do material

 

Linha automática AG-Equiflex da Agmaq para fabricação de vidro laminado com PVB – tecnologia 100% nacional, produzindo 7 m de vidro/minuto

 

A Conlumi propiciou aos moradores de uma residência em Itaboraí/RJ a piscina dos seus sonhos. A ideia foi usar vidro em uma das faces da piscina no lugar de alvenaria. A obra demandou 6 m2 de vidro laminado temperado (6.000 x 1.000 mm) em uma única peça, composto por 4 lâminas de cristal de 10mm, feitas com laminação estrutural Uvekol. O caixilho em aço inox tipo escotilha com guarda-corpo tubular, também em inox polido, compôs a peça que, junto com o vidro, pesa cerca de 700 kg.


Cada vez mais usado como divisor de ambientes em hospitais, clínicas, salas de reunião, restaurantes e residências, o PKO Privacy Glass é laminado com um filme de LCD (Liquid Cristal Display – cristal líquido) com polímeros dispersos. Quando acionado, as moléculas se organizam em uma direção específica, tornando o vidro incolor e permitindo a passagem da luz. Quando desligado, ele volta à sua cor original, de branco translúcido. Bastante usado em letreiros luminosos, clínicas, mesas e bancadas, shoppings, lojas e coberturas, o Lightning Glass, da PKO, é laminado com uma película incolor onde são inseridos LEDs.

 

“Lançamento da Handong, representada no Brasil pela Glass Parts, a calandra por convecção promete otimizar a produção e reduzir significativamente o consumo de energia”

 

De uso obrigatório nos projetos da Atenua Som, os vidros laminados do conjunto de janelas e portas desta casa no Guarujá/SP garantem proteção à criança que brinca na área de lazer

 

 

 

 

 

Deixe seu comentário