Seção

Mercado

Laminação turbinada

Cyberglass investe em linha 100% automatizada para se expandir no mercado de laminados

02/07/2016

Em operação desde fevereiro, o equipamento permite montar painéis de até 10 mm de espessura

A beneficiadora paulista Cyberglass chega a nove décadas de mercado com motivos de sobra para comemorar. A empresa, que nos últimos 15 anos concentrou esforços em modernização e automação de seus processos industriais, fez recentemente o maior investimento de sua história, ao incorporar uma linha de laminação 100% automática, que deve conduzir o chão de fábrica a elevados patamares de produtividade. “Produzimos laminados com PVB há mais de 12 anos, mas em pequena escala. Diante do aumento da demanda, passamos a comprar chapas laminadas das fábricas e cortá-las, ou seja, investimos em mesas de corte para laminados”, relata o diretor industrial Rodrigo Guerrero.

 

Em funcionamento desde o início deste ano, a linha de laminação oferece processos totalmente automatizados, do carregamento das chapas ao assentamento do PVB, além da montagem no esquadro e refilo. “Podemos dizer que é a linha com maior grau de automatização já instalada no Brasil”, comenta Guerrero. E acrescenta: a nova instalação direciona o foco principal de atuação da Cyberglass para a produção e distribuição de chapas de vidros laminados. “Nosso intuito é, sobretudo, reduzir custos e aumentar a produtividade, garantindo margens mais elevadas no produto final.”

 

Segundo o diretor, a linha contempla uma autoclave com 60 m³, capaz de produzir, a cada ciclo de 4 horas, 25 toneladas de vidros laminado. O investimento inclui um sistema de resfriamento da autoclave de circuito fechado, que reduz até 4 vezes a perda de água por evaporação, além de filtros de ar para assegurar a qualidade da atmosfera dentro da autoclave. “Com processos de carregamento, lavagem e montagem automatizados, não há qualquer risco de contaminação do vidro ou do PVB por interferência manual. Tudo é realizado sob monitoramento do operador”, diz Guerrero. Fabricado pela austríaca Lisec, o equipamento permite montar painéis de até 10 mm de espessura, e conta com sistema de irradiação e convecção que podem ser combinados para melhorar o desempenho da calandragem do material utilizado.

 

Os diferenciais agregados pela alta tecnologia da linha não param por aí. “Somos a primeira empresa laminadora e fornecedora de vidros planos a utilizar um equipamento capaz de controlar a umidade específica e a espessura do PVB usado no processo de laminação online, garantindo que o material esteja dentro das normas e especificações técnicas dos fornecedores e fabricantes de PVB”, ressalta Guerrero. O novo equipamento incorpora ainda uma série de diferenciais tecnológicos para montagem de vidros laminados de temperados e assegura uniformidade da pressão de acordo com a área da peça. Com capacidade produtiva nominal de 2400 m²/turno, ocupa uma área de 1 mil m².

 

A nova linha oferece processos totalmente automatizados, do carregamento das chapas ao assentamento do PVB

 

 

Olho no mercado

 

A linha entrou em operação em fevereiro deste ano e, segundo Guerrero, representa a independência no fornecimento de vidros laminados, laminados de temperados e multilaminados. “Também abre portas para novas parcerias, aumento do faturamento e melhor posicionamento no mercado”, acrescenta o diretor. “Esperamos crescer de 5 a 8% em decorrência dos novos mercados que estamos atingindo a partir desse investimento.”

 

Atualmente, a Cyberlass trabalha com um amplo leque de produtos, de vidros comuns aos de alto valor agregado, passando pelos serigrafados, curvos, insulados com ou sem argônio, vidros com impressão digital etc. A linha de laminados inclui laminados com PVB, laminados especiais de segurança com sentryglass e laminados com ferragens embutidas. “Ou seja, estamos plenamente capacitados a atender uma obra desde sua concepção até a decoração final. O vidro laminado, que tem crescido muito, estava sendo um gargalo para a Cyberglass e por isso decidimos dar atenção especial a esse nicho”, comenta Guerrero. “Levamos cerca de dois anos em busca dos melhores equipamentos e fornecedores do mercado. Hoje podemos afirmar que contamos com o que há de melhor em termos de vidros laminados.”

 

Pouco mais de três meses depois de iniciada a produção da nova linha, a Cyberglass já contabiliza saldo positivo. “Fechamos algumas grandes obras, que estão nos auxiliando a nos manter no mercado nesse período de consumo reduzido”, diz Guerrero. “Também iniciamos parcerias para o fornecimento de chapas laminadas e mão de obra de laminação, ainda que em volume muito aquém da capacidade nominal da linha”.

 

Nos últimos quatro anos, a Cyberglass vem crescendo a uma média de 17% ao ano, incluindo um período de retração enfrentado em 2012

 

Pioneirismo

 

Nascida como Fabrica de Espelhos São José, uma pequena vidraçaria familiar no bairro do Brás, em São Paulo, a Cyberglass ganhou seu nome atual em 2002, quando se mudou para uma área de 6,5 mil m². A empresa iniciou sua atuação trabalhando basicamente com vidros finos cortados. Ao longo dos anos, apoiou-se no reconhecimento de sua marca junto ao mercado para consolidar-se no beneficiamento e hoje conta com um amplo arsenal de equipamentos automatizados, produzindo internamente o que antes era terceirizado.

Para consolidar sua presença em um mercado que se mostra cada vez mais concorrido, a Cyberglass voltou seus esforços para a ampliação de sua capacidade produtiva, sobretudo por meio de equipamentos e tecnologias avançadas. Nos últimos 3 anos, a empresa investiu em mesas de corte jumbo, tanto para vidros comuns quanto para vidros laminados, um CNC para peças especiais e dois classificadores automáticos para vidros jumbo, com capacidade para mais de 300 toneladas. “Também adquirimos uma biseladora e uma lapidadora de ângulo variável, além de 6 veículos de carga”, conta o diretor da empresa.

 

Outro equipamento que passa a operar a partir de junho é uma linha automática de insulados, com um robô selante, voltado para aumentar a produção desses vidros. “Trabalhamos com silicone e polissulfeto, e a máquina está preparada para executar uma troca rápida entre esses dois produtos”, explica Guerrero. “Também planejamos investir em aumento da produtividade do corte de vidros laminados e automação das linhas de lapidação, mas isso quando o mercado retomar seu ritmo e o cambio se estabilizar.”

 

Além do incremento tecnológico, o desempenho da empresa se evidencia em números. Nos últimos quatro anos, a Cyberglass vem crescendo a uma média de 17% ao ano, incluindo um período de retração enfrentado em 2012. “Esperamos que os investimentos feitos com a linha de vidros laminados e com a linha de vidros insulados robotizada mantenham a empresa em crescimento, mesmo no atual momento desfavorável, pois estamos atingindo mercados não explorados anteriormente”, diz Guerrero.

 

O diretor entende que o cenário econômico atual deve levar as empresas do segmento a algumas mudanças de estratégia. “É um momento de cautela quanto a novos investimentos, diante das incertezas relativas à moeda nacional, e principalmente frente à expectativa de retração da economia. Temos de redobrar a atenção para manter o caixa saudável, pois os custos financeiros no País estão entre os mais altos no mundo”, observa. E acrescenta: “Mas pretendemos dar sequência a nosso planejamento de ampliar a oferta de produtos especiais, pois um portfólio diversificado amplia as possibilidades em um mercado oscilante para o qual aponta o cenário atual.”

 

Planta industrial em São Paulo (SP) conta com mais de 6 mil m2 de área construída

 

 

 

Deixe seu comentário