Seção

Tendência e Tecnologia

Janelas que esquentam água devem chegar ao mercado em 2018

Projeto desenvolvido pela FLUIDGLASS visa controlar a emissão de luz e usar o calor como aquecedor

31/10/2016

Um projeto desenvolvido por ingleses tem previsão de chegar ao mercado em 2018. Trata-se de uma janela de vidro que controla os raios solares e evita o calor nos ambientes, ao mesmo tempo em que usa o calor retido para esquentar líquidos.

"Nossa janela é uma combinação das janelas de vidro comuns com camadas adicionais preenchidas com líquidos - uma na janela externa, ou outra na interna," explica Anne-Sophie Zapf, da Universidade de Liechtenstein, coordenadora do projeto FLUIDGLASS, financiado pela União Europeia.

Depois de analisar diversas abordagens, a equipe optou por uma janela composta por três camadas de vidro ligeiramente espaçadas, o que deixa dois espaços internos. Ambos são preenchidos com um líquido que é essencialmente água, mas contendo nanopartículas que permitem capturar energia e produzir sombra.

A camada externa possui nanopartículas que absorvem a energia solar e aquecem a água. A água é mantida em um fluxo contínuo, como se a janela fosse um radiador. A água quente pode ser então armazenada em um tanque para uso doméstico, ou dirigida para um trocador de calor ou uma bomba de calor, podendo ser aproveitada inclusive para gerar energia.

A camada interna pode ser quente ou fria, dependendo da estação, provendo aquecimento ou resfriamento conforme o desejo dos ocupantes.

A quantidade de partículas no fluido pode ser controlada, de forma a prover um efeito ajustável de sombreamento. "Quando mais [partículas] no fluido, mais escuro ele fica, e mais energia ele pode coletar," explicou Zapf.

As janelas foram projetadas para se encaixar nos vãos tradicionais nas paredes, permitindo seu uso em prédios já construídos, em substituição às janelas tradicionais.

Segundo os cálculos da equipe, a economia potencial de energia vai de 50 a 70%. Já para as construções novas, já projetadas para consumirem menos energia, os ganhos chegam a 30%.

A expectativa é que as novas janelas cheguem ao mercado a partir de 2018.

 

Deixe seu comentário