Seção

Arquitetura e Vidro

Arquitetura tridimensional

Formas exóticas marcam a fachada do edifício CCTV, na China, considerada a mais complexa do mundo

18/12/1968

Projetado para ser uma alternativa à exaustiva tipologia dos arranha-céus que desenham o horizonte das grandes metrópoles mundiais, o edifício da rede de televisão CCTV, em Pequim, mais parece ter saído de um cenário de filme futurista. A ideia do escritório OMA foi reinventar o padrão das grandes torres empresariais da capital chinesa e dar vida a um projeto que norteasse novas linguagens para a arquitetura de grande porte no país. “O design proposto para a fachada deixa de lado a busca por recordes de altura, comum a esse tipo de edificação, em favor de uma linguagem mais solta e inovadora”, afirma o arquiteto Rem Koolhaas, autor do projeto em parceria com Ole Scheeren. “Não queríamos desenvolver mais um projeto tradicional, ou seja, mais uma torre bidimensional apontando para o céu”, conta Koolhaas.

 

O cronograma de implantação foi programado de modo que o edifício pudesse figurar soberano no horizonte de Pequim nos Jogos Olímpicos de 2008

 

Iniciado em setembro de 2004, o cronograma de implantação do CCTV foi especialmente programado para que o edifício pudesse figurar soberano no horizonte de Pequim nos Jogos Olímpicos de 2008. Seus mais de 600 mil metros quadrados são ocupados por estúdios de TV, escritórios, instalações de produção e radiodifusão, e é o maior projeto já desenvolvido pelo OMA, escritório com unidades em Dubai, Nova York, Pequim e Roterdã e um portfólio de mais de 400 projetos ao redor do mundo.

 

“Formando unidades insuladas, os vidros de alto desempenho receberam um padrão serigráfico para garantir parcial sombreamento, de aproximadamente 50%, que confere uma coloração cinza-prateada suave ao edifício e resultam em uma presença surpreendentemente sutil no horizonte de Pequim”

 


Integralmente revestida por chapas de vidro, a edificação forma um desenho geométrico irregular composto por duas torres paralelas inclinadas que se erguem a partir de uma mesma plataforma e se conectam na parte superior por um cantiléver (estrutura em forma de trave que se projeta para fora, sustentada apenas em uma das extremidades) perpendicular de 75 metros, resultando em um volume contínuo de ponta a ponta. A complexidade de sua estrutura é visível em toda a fachada, na qual uma teia de linhas diagonais torna-se mais densa em áreas de maior stress e mais espaçadas nas áreas que requerem menos apoio.
Executada pela chinesa Beijing Jangho, a fachada do CCTV é considerada o mais complexo projeto de curtain wall já realizado no mundo. A 160 metros do solo, a quina horizontal suspensa recebeu painéis de vidro com medidas de até 3,00 X 1,50 m. Já nas torres verticais, as medidas das chapas chegam a 1,60 X 5,53 m e pesam até 950 kg. 


Formando unidades insuladas, os vidros de alto desempenho receberam um padrão serigráfico para garantir parcial sombreamento, de aproximadamente 50%, que confere uma coloração cinza-prateada suave ao edifício e resultam em uma presença surpreendentemente sutil no horizonte de Pequim.
Fornecidos pela beneficiadora chinesa Tianjin CSG, os vidros laminados e insulados foram todos processados em máquinas da Bystronic Glass. “A fabricação desses

 

No nível superior que conecta as torres, aberturas de vidro no piso com largura de 4 metros oferecem aos visitantes uma vista a 162 metros de altura

 

 

 

O envelopamento envidraçado da fachada é permeado por uma espécie de malha de aço, com características irregulares e assimétricas. Serigrafados e de alto desempenho, os vidros conferem sombreamento parcial às áreas internas

 

 

painéis é bastante complexa e só é possível com muita experiência e excelentes instalações de produção.”, afirma o vice-presidente da empresa, Gu Xin.
A fachada forma uma espécie de malha, com características irregulares e assimétricas. Segundo os profissionais da Arup, empresa de engenharia responsável pela estrutura da edificação, a obra inovadora é resultado de uma colaboração de longo prazo entre arquitetos e engenheiros chineses e europeus, que estudaram a fundo novas possibilidades para arranha-céus. “Logo no início, a equipe determinou que a única maneira de entregar a forma arquitetônica desejada era envolver toda a estrutura de fachada com uma teia de aço, criando, em essência, um sistema tubular contínuo e exposto”, explica o executivo da Arup Jerman Cheung. O tubo resiste a todas as forças laterais da construção e também à maior parte da força de gravidade.


Consultora de fachadas, a americana Front incluiu mais de 25 sistemas diferentes para compor o desenho esquemático que envolve toda a superfície da edificação. “Diante da complexidade e porte do projeto, foi necessário desenvolver inúmeros modelos digitais em 3D durante o processo de design”, afirmam os projetistas da Front.

 

 

 

Deixe seu comentário