Seção

Arquitetura e Vidro

Arquitetura lúdica e comunitária

Nas mãos da equipe do escritório Julien De Smedt Architects, o velho edifício, embora tenha tido seu visual industrial conservado, ganhou vida nova em uma região da cidade em que construções residenciais e industriais têm se misturado. “A proposta fo

11/05/1950

Em um bairro industrial da cidade de Copenhague, na Dinamarca, uma antiga fábrica foi transformada em centro de acolhimento e integração social para jovens imigrantes

Nas mãos da equipe do escritório Julien De Smedt Architects, o velho edifício, embora tenha tido seu visual industrial conservado, ganhou vida nova em uma região da cidade em que construções residenciais e industriais têm se misturado. “A proposta foi converter um prédio industrial em um centro comunitário que desse a jovens imigrantes a oportunidade de sair das ruas”, afirma o autor do projeto, Julien De Smedt. “As inovações do projeto são muito mais sociais do que técnicas.

 

 

Por meio de uma arquitetura lúdica, vidros coloridos e grandes áreas com coberturas abobadadas para a prática de esportes e atividades educativas, o Sjakket oferece um espaço de refúgio e de aprendizagem para imigrantes recém-chegados a uma nova sociedade e sistema de valores.” Segundo explica o arquiteto, o edifício foi renovado de modo a incorporar o máximo do que havia do antigo projeto, sobrepondo a ele um ambiente despojado, divertido, iluminado e futurista para servir aos os jovens que frequentam o espaço. “Os prédios industriais mais antigos servem de pano de fundo para valorizar a cultura urbana de rua, que pode ser vista no grafite preservado e na riqueza de cores por todo o projeto”, afirma De Smedt. 

 

 

Temperados e laminados, os vidros float coloridos usados nas janelas e na passarela foram fornecidos pela dinamarquesa Lafuco. “Na passarela, as peças são suportadas por uma estrutura metálica, formando juntas articuladas entre os elementos de vidro”, explica o arquiteto. Já as laterais do edifício e divisórias internas
foram envidraçadas com o sistema Pilkington Profilit, que internamente proporciona uma superfície translúcida, sem obstruções, e permite a máxima entrada de luz natural difusa e sem sombras. Formado por painéis duplos autoportantes Profilit, o sistema proporciona transmissão de iluminação natural de 85%.

 

 

Por sua composição translúcida, semelhante à do vidro impresso, os painéis autoportantes permitem a entrada de luz natural nos ambientes, ao mesmo tempo em que amenizam a intensidade dos raios solares “A grande vantagem desse sistema é que dispensa o uso de caixilhos”, ressalta De Smedt. A estrutura em forma de U é posicionada diretamente no piso, dispensando o apoio de travessas intermediárias. “Por serem duplos, os painéis conferem bom desempenho térmico e acústico à edificação”, explica o arquiteto. O isolamento acústico é superior a 38 db e o coeficiente U é de 2,8W/m2K.

Deixe seu comentário