Seção

Fique por Dentro

Alta definição

Processo digital confere alta qualidade de imagens impressas no vidro e amplia possibilidades decorativas do material

29/07/2016

Os vidros do Rokeheim Museum, na Noruega, receberam impressão digital da israelense Dip-Tech

Imprimir imagens em alta resolução sobre vidros dos mais variados tamanhos e formatos, em superfícies que vão de pequenos detalhes decorativos a grandes fachadas. As possibilidades oferecidas pelas novas tecnologias com esse objetivo são inesgotáveis e permitem reproduzir fotografias, ilustrações, logomarcas, estampas, texturas e desenhos com a mais alta qualidade de definição.

 

Embora frequentemente comparada ao processo de serigrafia, a impressão digital não deve ser vista como um técnica concorrente a ela, mas sim complementar, avalia Jean-Paul Clément, diretor da Criavidros. A empresa é representante no Brasil da israelense Dip-Tech, fabricante de máquinas para impressão digital em vidro. “A diferença básica é que a serigrafia se aplica a grandes quantidades de vidros, no caso dos setores automotivo, de eletrodomésticos etc. Para grandes lotes, é um processo muito mais barato. Já a impressão digital é voltada para peças únicas, especiais ou para lotes pequenos, de 20 a 50 peças. Para produção em série, o custo não compensa”, diz o diretor.

 

Em linhas gerais, a serigrafia se distingue da impressão digital pela forma como a imagem é impressa no vidro. A serigrafia trabalha com uma matriz silk screen, ou seja, um quadro de alumínio com tecido de poliester esticado, no qual é gravada a imagem a ser impressa no vidro. Para cada cor do desenho haverá uma matriz ou quadro específicos. A aplicação de mais cores requer, portanto, a repetição do procedimento. “Isso faz da serigrafia um processo mais lento, caso haja necessidade de se usar um número maior de cores. Indústrias de eletrodomésticos, por exemplo, dispõem de várias máquinas de serigrafia em linha, para dar agilidade à produção”, observa Clément.

 

No caso da impressão digital, é possível reproduzir uma imagem diretamente do arquivo eletrônico para o vidro, independentemente da quantidade de cores e tonalidades. “O processo permite aplicar de quatro a seis cores simultaneamente, a partir de um arquivo digital. Em um processo similar ao de uma impressora digital doméstica, o equipamento pode imprimir uma imagem de seis cores em uma única operação, pois trabalha em cima do vidro com diferentes cores de esmalte.”

 

Além disso, acrescenta o diretor, a qualidade de impressão é muito superior. “Uma impressora como a GlassJet, da Dip-Tech, pode imprimir com resolução de até 360 dpis (pontos por polegada). No caso da tela serigráfica, o máximo que ela permite atingir é o equivalente a 80 dpis”, informa. Os arquivos processados pela GlassJet incluem Adobe Photoshop, Adobe Illustrator, Corel Draw, Freehand e AutoCAD, entre outros. Basta que seja feita a conversão para o software da impressora. “Uma foto tratada no Photoshop, por exemplo, pode ser diretamente impressa no vidro, em qualquer tamanho”, completa Clément.

 

Mercado incipiente

 

Amplamente difundida nos Estados Unidos, na Austrália e em países da Ásia e da Europa, a impressão digital vitrificada ainda dá seu primeiros e tímidos passos no Brasil, especialmente quando se fala de vidros arquitetônicos e decorativos. “O mercado brasileiro ainda entende que a margem de investimento é muito alta para esse tipo de projeto”, afirma Clément.

 

Campos Carmem Haifa, em Israel.

Campos Carmem Haifa, em Israel. O processo digital permite imprimir fotos com resolução de até 360 dpis, além de uma grande variedade de cores e tonalidades 

 

Segundo dados da Dip-Tech, cerca de 75% das máquinas por ela produzidas têm como destino o mercado da construção civil. “Já no Brasil, esse mercado ainda é muito incipiente. Ao contrário da Europa, a aplicação na indústria automobilística e linha branca é muito mais explorada do que na arquitetura”, afirma Clement. O diretor acredita, no entanto, que esse cenário deve se transformar dentro de poucos anos. “Observamos um aumento da demanda por vidros decorados em todos os setores, do moveleiro ao da construção. Além disso, os lotes estão cada vez menores e mais diversificados, com controle de custo de produção mais rigorosos e prazos de entrega mais curtos”, aponta o diretor. Para ele, essas tendências favorecem o uso dos vidros com impressão digital, que podem ser a solução para um número crescente de demandas do mercado.

 

Decoração personalizada

 

“A impressão digital é uma tecnologia fantástica, porque permite criar projetos personalizados, reproduzindo com precisão e riqueza de cores qualquer tipo de figura”, diz Wagner Tersi, consultor e representante da beneficiadora Brazilglass, Há 30 anos dedicado à produção de serigrafia com tinta cerâmica, Tersi está à frente da divulgação do mais recente produto da empresa, o Digitalglass, que consiste na impressão digital em vidros com máquinas fabricadas pela Dip-Tech. Atualmente, a Brazilglass é a única no mercado brasileiro que possui o equipamento para a impressão digital em vidros com aplicação de tinta cerâmica.
Aplicável em qualquer tipo de vidro, a serigrafia digital feita pela Brazilglass reproduz desenhos, fotos e texturas em até quatro cores, simultaneamente, a partir de arquivos digitalizados. O Digitalglass é produzido em sala climatizada para controle de umidade, temperatura e particulado (poeira). O processo é realizado dentro da fábrica da Brazilglass, na cidade de Ribeirão Pires, interior de São Paulo.

 

Harlen Hospital, em Nova York.

Harlen Hospital, em Nova York. O projeto é resultado da parceria entre a processadora General Glass International (GGI) e a Hok, responsável pela instalação. A fachada de 1 mil metros quadrados é composta por 439 paineis de vidro, com impressão digital da Dip-Tech

 

 

Além da impressão, o processo inclui o procedimento de têmpera. Na sequência da impressão, o vidro passa por uma estufa para secagem, de onde é transportado até o forno. “A chapa é aquecida a 650º C, para fixação e incorporação do esmalte cerâmico à lâmina,transformando-se em um vidro resistente, de segurança e com a beleza da imagem agregada”, explica Tersi. A impressão pode ser feita em vidros de 3 a 19 mm de espessura.

 

O processo pode ser executado em chapas de vidro com dimensão mínima de 400 x 400 mm e máxima de 2.200 x 1.200 mm. Uma grande vantagem é que a impressão pode ser modulada, o que permite confecção de painéis de qualquer tamanho. “O Digitalglass pode compor a fachada inteira de um edifício. Para isso, a imagem vetorizada é ampliada e dividida vidro a vidro, como em um mosaico, obtendo-se na montagem final a reprodução fiel da imagem idealizada no projeto”, informa Tersi. “Cabe salientar que o programa possibilita informar a distância vidro a vidro, compensando a concordância das linhas da imagem”, acrescenta o diretor, lembrando que também é possível controlar o grau de opacidade, reproduzindo desde uma imagem sólida a uma totalmente translúcida.”

 

NANOTECNOLOGIA

 

O processo que usa tinta cerâmica não é a única forma de imprimir digitalmente no vidro. As máquinas da italiana Muchcolours, por exemplo, usam a nanotecnologia, que consiste em trabalhar com partículas de tinta tão pequenas que penetram no vidro e se depositam abaixo de sua superfície. São os nanocorantes ou nanopigmentos. Depois de impresso, o vidro vai para uma estufa aquecida a aproximadamente 180o C, onde permanece por 20 minutos, finalizando o processo. Fabricadas na cidade de Pescara, na Itália, as impressoras da Muchcolours são resultado de um processo meticuloso de produção. “Por se tratar de nanotecnologia, o posicionamento do cabeçote de impressão exige uma precisão extrema”, afirma Marcio Finavaro, gerente comercial da empresa no Brasil.
 

Cura UV

 

A norte-americana EFI-Vutek trouxe recentemente para o Brasil sua linha de impressoras com sistema capaz de personalizar materiais como vidros, tecido, couro e madeira. Em vidro, a impressão utiliza tinta com cura UV. Qualquer tipo de vidro pode ter figuras impressas com essa tecnologia. O que define o limite para a impressão é a sua espessura – que não pode ultrapassar cinco centímetros. Dependendo da utilização do vidro, o desenho pode ser estampado diretamente na lâmina ou receber um adesivo. “Existem impressoras de 2 m e de 3,2 m, sendo essas as medidas limites para a entrada do material; o comprimento não interfere”, esclarece Sean Roberts, gerente do Centro de Treinamento Global da empresa.

 

projeto dos arquitetos franceses Denis Valode e Jean Pistre,

Edifício Cinetic, Porte de Lilas, Paris. No projeto dos arquitetos franceses Denis Valode e Jean Pistre, as árvores impressas no vidro espalham seus galhos por toda a fachada 

 

Roberts informa que a impressão digital em vidros pode ser realizada por meio de litografia, impressão com retículas, dye-sublimation e jato de tinta.E, segundo ele, a série Vutek GS é a que abrange os equipamentos mais adequados à produção de uma grande faixa de aplicações em vidro, seja em peça única ou em pequenos tamanhos, simultaneamente. “São impressoras que utilizam tintas com secagem UV, as mais adequadas para esse tipo de produção”, diz. Essas tintas requerem uma preparação com spray de alto nível de secagem, jato de tinta com capacidade de 1000 dpi e secagem a quente após a impressão. “Uma vez pintado o vidro, a cura dupla UV deve ser realizada antes da impressão e secagem por calor, para que haja adesão da tinta ao material”, explica Roberts. Um forno com transportador e controle de velocidade, operando entre 329ºC e 244ºC por dez minutos garante a máxima adesão.

 

No segmento arquitetônico, Roberts aponta para as principais tendências de aplicação de vidros com impressão digital: o uso como filtro, garantindo privacidade e proteção dos raios solares, em divisórias decorativas, painéis, showrooms e portas de banheiro.

Deixe seu comentário